Breve guia de uma paulista em fim de semana prolongado no Rio de Janeiro



Em abril deste ano eu estive com o Lucas no Rio de Janeiro. Passamos quatro dias por lá, na casa de um casal amigo, na Barra da Tijuca. Estávamos do outro lado da cidade, no que diz respeito aos pontos turísticos e principais praias, o que dificultou um pouco a nossa mobilidade. Isso nos fez tomar alguns chás de cadeiras em pontos de ônibus e fazer literalmente viagens de horas e horas para chegar de um lugar no outro. Porém, a maior parte dos turistas vai ficar mesmo na região de Copacabana, ou mesmo Ipanema, o que facilita tudo! Não vou aqui dar um roteiro pronto do que fazer e em quantos dias, mas vou falar dos pontos pelos quais passei e como chegar até eles. Lembrando que eu passei cinco dias no Rio, dois deles “turistando” ao extremo, um dia curtindo a companhia de nosso anfitrião, um dia curtindo praia e shopping e no último pegamos uma prainha de leve antes de embarcar de volta pra casa.

O Rio de Janeiro faz jus ao nome de Cidade Maravilhosa! O Rio é lindo, é de encher os olhos, tudo naquele lugar encanta. Acho que não à toa que é um destino tão cobiçado por turistas do mundo todo. Quando se fala em RJ lembramos, lógico, do Cristo Redentor, do Pão de Açúcar e de Copacabana! Tem ainda muitas outras opções, muitas outras, mas falarei de apenas algumas, que consideramos principais e indispensáveis quando tivemos poucos dias de folga para passear por lá...

CHEGADA e PARTIDA
Chegamos ao Rio de Janeiro pelo aeroporto Galeão. Para chegar ao local de nossa estadia, pegamos um táxi. Considerando que você está chegando na cidade e ainda está um pouco desorientado, é a melhor opção. Você vai gastar um pouco mais, mas dividindo a conta entre amigos talvez não pese tanto e ainda vejo como a maneira mais fácil de se transportar em um primeiro momento.

É difícil falar isso, mas o Rio é uma cidade perigosa e há também muita malandragem, até por parte dos “profissionais” que vão te atender, por isso, tente escolher um bom taxista (se tiver um amigo na cidade, tente ajeitar antes o contato de um de confiança, senão, procure um ponto de táxi, não se sujeite a qualquer um que te oferecer o transporte). Combine os termos antes – se ele vai rodar o taxímetro, se cobra pelas malas etc. Por favor, seja esperto! :)

A volta para o aeroporto eu fiz de BRT, transporte público em ônibus, mas parecido com metrô. Foi super fácil, barato, mas também bem demorado! Se valeu a pena ir de táxi rachando entre a galera que está viajando junta, pra que fazer diferente?! Mas se não valeu, a grana tá curta, reserve umas boas horas, se informe como pegar o BRT certo e qual linha chega ao aeroporto de onde você está partindo. Se programe, com o horário de voo não se brinca e ônibus no Rio é super demorado, mesmo!

SEGURANÇA
Como eu disse, se você vai ficar em Copacabana ou Ipanema, são pontos bem localizados, onde é uma delícia curtir a praia, ficar na areia, curtindo o sol, observando a linda paisagem, comendo e bebendo algo. Mas, não seria diferente, essas praias são lotadas de turistas e, lógico, são também visadas. Seja cauteloso. Recentemente temos visto muitas notícias de arrastões e essa é uma realidade inevitável. Eu não sei, honestamente, como te orientar a lidar com isso, porque quando estive por lá reinava a paz. Procure pesquisar em fontes confiáveis sobre orientações de como agir.

Mas o mais importante: não ostente! Não interessa se você tem grana, eletrônicos legais (câmera, iPhone, tablet, pau de selfie), relógios, joias, roupa legal. Eu sei que você quer ser você mesmo e quer registrar os momentos ou mesmo usar o celular pra procurar nos localizadores um restaurante legal da região, mas use com cuidado, com discrição. Evite exibir qualquer coisa que chame a atenção e use com moderação e cautela. Você vai sempre ter “cara de turista”, é inevitável, mas vá com calma!

APROVEITANDO AS PRAIAS
Nós curtimos as praias da Barra da Tijuca e de Copacabana. Como viajamos de avião, não dava para levar guarda-sol e cadeiras, então, essa foi a primeira coisa a fazer: escolher um quiosque que parecia legal e contratar o serviço por ali mesmo.

Minha única reclamação foi não encontrar banheiro público por perto. Em Copa, acabei tomando um café numa loja de conveniência e em troca pude usar o banheiro... Também não curti entrar na água. As ondas estavam fortes, muita areia grossa entrou em meu biquíni, eu fiquei tão salgada como uma carne de sol e não tinha onde tomar banho com água doce. Os quiosques até disponibilizam duchas, mas é água salgada, bombeada do próprio mar. Nadar no Rio, nunca mais! Kkkk




BONDINHO
Sem dúvida, para mim, a visita ao Bondinho Pão de Açúcar é imperdível. Mais do que simplesmente subir ao Morro da Urca pelos bondinhos, você tem todo o complexo turístico para visitar, muitas paisagens lindas e a vista de quase tudo de maravilhoso que há no Rio de Janeiro.

Eu aconselho você a chegar cedo, bem cedo! Assim, você não pega filas para comprar o ingresso e entrar no parque e tem tempo de sobra para curtir o lugar, sentar nos espaços para apenas admirar a beleza natural, tomar um café ou um lanche em uma das lanchonetes e relaxar.

Em abril, o ingresso individual adulto custou R$ 62. Agora já subiu, confira: Preços e Horários do Bondinho. Para chegar ao Bondinho fomos de ônibus. Peço mil desculpas porque simplesmente não lembro e não anotei em lugar nenhum as linhas que utilizei nos passeios... Mas é simples. De Copacabana ao Morro da Urca são 6 km. Uma única linha vai direto e chega rapidinho lá. Aqui (Como chegar ao Bondinho) você pode ver o mapa e já tentar se programar, mas no seu hotel, com certeza vão saber te informar como chegar lá...



CRISTO REDENTOR
Outra visita imperdível, já que este ponto é o símbolo do Rio (e até do País e da América Latina) para o Brasil e o Mundo todo, é o Parque Nacional da Tijuca, no Corcovado, onde está a estátua do Cristo Redentor. A vista de lá de cima é incrível! Assim como no Bondinho, você verá os mais lindos pontos do Rio, como o próprio Morro da Urca, Baía de Guanabara e até o Maracanã.

A dica que vou dar é saindo de Copacabana, onde eu acredito ser a melhor opção. Lá tem uma bilheteria onde você compra o seu ingresso de entrada, que já inclui o transporte em uma van, que te leva e te traz de volta no momento que você quiser. Mais prático impossível... O ingresso, em abril, custou R$ 62, hoje não consegui encontrar uma página oficial com a tabela.

Mais uma vez vale a mesma dica do Bondinho (e aqui ela vale muito mesmo, porque as filas para o Cristo ficam gigantes): chegue cedo! Eu cheguei bem antes da bilheteria abrir, às 8h, e já peguei fila. E lá em cima, no Cristo, estava super lotado de gente!




LAGOA RODRIGO FREITAS
Dei uma passada rápida pela Lagoa Rodrigo Freitas. É muito bonita, mas turisticamente não tem muito o que fazer. É um lugar onde as pessoas gostam de correr e praticar esportes, por vezes sentar à sombra das árvores. Pouco depois que estive lá, aconteceu aquele crime que ganhou repercussão nacional, da morte de um ciclista. :( Mais uma vez o que vale é o recado de que nenhum lugar é seguro no Rio, não dá para se esquecer disso...



PARQUE LAJE
Outro lugar por onde passei rapidamente foi o Parque Laje. Fica próximo ao próprio Jardim Botânico, por isso acabei fazendo uma breve parada por lá, tomei um chá gelado e continuei o passeio. Não que seja um lugar imperdível, caso não desse tempo de ir, não perderíamos muito. Mas o Parque Laje é um lugar bonito, calmo e aconchegante, com belos jardins e uma arquitetura bacana.

Por lá, encontramos um grupo enorme de macacos. Senti um misto de medo e empolgação, era a primeira vez que eu via macacos fora das jaulas de um zoo, mas não saia da minha cabeça aquelas coisas de filme (tipo Planeta dos Macacos), dos bichos se revoltando. Haha! Fiquei observando um pouco e logo continuei a caminhada. Falando em questão de natureza e fauna, foi a coisa mais legal que já vi! Soube que o parque tem trilhas ecológicas, que levam, inclusive, ao Corcovado.

Localizado na Rua Jardim Botânico, aos pés do Morro do Corcovado e próximo à Lagoa, eu cheguei lá de a pé, depois que convenci o motorista da van a me deixar na Lagoa. Eles não deveriam fazer isso, mas com “charme” conseguimos. Aconselho você a, mais uma vez, procurar orientação em Copacabana, nos pontos de auxílio ao turista e encontrar outro meio. De ônibus é rapidinho de Copa até essa rua... ;) #FaçaOQueEuDigoMasNãoFaçaOQueEuFaço :P kkkkk



JARDIM BOTÂNICO
Eu jamais vou me arrepender de ter ido ao Jardim Botânico do Rio de Janeiro, um lugar muito incrível. Temos aquela impressão de Rio de Janeiro ser sinônimo de praia, mas descobri lá (tanto no Corcovado, como na Urca e nos parques) muito mais natureza, florestas, animais e flores, do que praia.

A calma, o frescor e a beleza daquele lugar são impagáveis. Já na entrada, o Jardim Botânico tem um caminho de palmeiras que é o “cartão postal” do lugar. É lindo. Caminhando em meio a elas, olhando para cima você vê o Cristo. O Jardim, então, tem inúmeros espaços e cenários, lagos, fontes, chafarizes etc. Muitos lugares têm histórias interessantes e vale a pena conhecer e ler as placas para entender mais deles. E pode parecer uma enorme bobagem, mas vou compartilhar algo que eu adorei! Encontrei lá um lago cheio de vitórias-régias. E meu sonho sempre foi ver uma vitória-régia!


Para entrar no Jardim Botânico paguei, em abril, R$ 7. Mas, como tudo na vida sobe, os preços atuais estão aqui: Horários e Preços do Jardim Botânico do RJ. Lembrando que você compra o ingresso direto na bilheteria e só é possível pagar em dinheiro! Uma linha de ônibus em Copacabana ou Ipanema vai direto à Rua Jardim Botânico, onde está a entrada ao lugar. Se informe qual linha no Ponto de Apoio ao Turista.




Comentários

Postagens mais visitadas